Capitulo 21 – O triste retorno para Pi Ramses

Maat acorda logo cedo, com um sopro suave e denso da manhã! Alegre, com os olhos vibrando olha ao seu redor e percebe o presente que seu amante havia lhe deixado.

Ela sabia que ele não poderia ter dormido ali, mas ficou com o seu cheiro no corpo, na boca, agora com a sua túnica. Ela poderia matar sua saudade a qualquer momento.

Ela saiu correndo pegando um atalho para chegar a seu quarto sem despertar atenção, tomou um banho demorado nas termas de sua casa, colocou um lindo vestido, perfumou-se com os unguentos mais raros vendidos nas Índias e saiu para o templo.

Chegando lá ela chamou sua grande amiga e confidente e contou tudo a ela, claro que ambas entraram em total alegria, risadas e mais risadas. Sua amiga então foi escalada a ir na casa de Merampth para combinar um novo encontro.

Maata não conseguia se concentrar, até que sua amiga chegou, ela largou tudo o que estava fazendo e saiu correndo em sua direção…….

Não poderia ser verdade, não poderia, ela então foi à procura de seu tio confirmar o que tinha escutado. E chegando lá seu tio confirmou que ele tinha indo embora, toda a comitiva egípcia tinha partido e fora escoltada por uma grande guarnição do exercito hitita.

Maat desolada sai da sala triste, mas logo recebe um abraço do seu tio (quase que pai, pois ele que criou a sobrinha quando o seu irmão, pai de Maat veio a falecer em campo de batalha). Olho diretamente nos olhos dela e disse:

– Minha pequena não fique assim, vejo em teus olhos a chama que lhe consome por nosso mais novo irão do sul. Lembre-se que antes de homem, ele é uma figura importante que está fazendo agora a confirmação do nosso pacto de paz entre nossas casas (Egito e Hati).

– Eu sei meu tio, mas foi assim tão derrepente, não tive tempo de me despedir nem nada. Ele volta quando?
– Filha não sei quando ele voltará, afinal ele poderá ir para outra missão em outros reinos. Ele apenas comentou que você não estaria sozinha. Com certeza ele falou da minha presença e com certeza continuarei a zelar por sua vida.

Nesse momento um sorriso e a lembrança de que ela ficou com sua túnica e a rosa. Ela saiu abatida para seu quarto, mas feliz.
Ela pegou a rosa , cortou o caule e colocou em um jarro com água. Ela parecia viva de tão bela e intensa era em sua cor. Com as emoções do dia ela caiu em um sono.

Durante o sono ela relembrou tudo o que aconteceu, até que despertou subitamente com o coração disparado, ela sentiu de alguma maneira que alguma coisa tinha ocorrido com Merampth.

Saiu em direção ao palácio e ao chegar perto percebeu o grande nº de dignatários do exercito, sendo impedida de entrar no salão principal. Aguardou durante 2 horas até que seu tio lhe chamou e lhe falou:

– Filha a caravana egípcia foi atacada pelos Assirios, muitos feridos e alguns mortos. Sinto muito.

Ela não queria acreditar, dentro de si ela sentia que ele estava vivo, não estava bem, mas estava vivo, seu tio estava enganado. Ela tentou ir em busca de seu amor, mas foi proibida.

Em pouco mais de 4 semanas batia às portas do reino Hitita o próprio Faraó Ramsés II, sendo recebido por seu novo irmão o imperador do Hati. Nesse dia ela realmente acreditou que tudo estava perdido.

Descobriu que Merampth era na verdade o príncipe regente escolhido por Ramsés II para assumir o trono após sua morte. Tinha mantido em segredo, para que ele pudesse completar essa última missão, antes de se dedicar à subida ao trono.

Segundo o Visir de Ramsés II os Assirius descobriram, por meio de um informante na corte de Pi Ramses, dos planos do Faraó. Ele foi descoberto e disse da emboscada, mas já era tarde de mais.

Ramsés II ao chegar, já tinha encontrado o campo de batalhas e encontrou o corpo de seu estimado filho. Uma dor tremenda assolou seu ser, uma desgraça caiu por entre o povo egípcio.

O Faraó estava ali para pedir auxilio com a tropa, pois eles iriam invadir a Assíria em busca dos afortunados, se fosse o caso acabar com o reino. Mas o imperador hitita conseguiu acalmar os ânimos, explicou que o assírios eram forte, destemidos e em grande quantidade.

Maat retorna ao seu quarto, deita em sua cama, fecha os olhos e cai em prantos, chora muito, quando ela sente um sutil aroma que a muito não sentia. Ela estava sonhando com certeza, não poderia ser real. Ela olhou no quarto e estava vazio.

Voltou para a mesa principal e viu que a rosa vermelha estava murcha, sem cor e apática. Era tudo fruto de sua imaginação com certeza, sentir o cheiro de Merampth em seu quarto.

Mas ela continuava a sentir aquele cheiro, quando de relance ela olha para o seu lado e percebe que tinha ali uma linda ROSA VERMELHA, tão bela quanto a que ganhou de seu algoz. 

Nesse momento ela pode descobrir que ainda não tinha terminado, que era apenas uma questão de tempo. Talvez não o tempo dela, nem da maneira com que tanto sonhou, mas o tempo para que tudo pudesse realmente ocorrer e acontecer.

FIM – MAS NÃO O FIM!!

Está gostando dos textos? Gostaria de contribuir com algum tema, elogiar ou criticar? É simples encaminhe um e-mail para cronicasdaluavermelha@gmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s