A Teoria da Pixar: estaria todo o universo de suas animações conectado?

Parece estranho, mas ao mesmo tempo é incrível que alguém tenha desenvolvido uma teoria completa acerca dos filmes de uma das mais famosas e queridas empresas do mundo cinematográfico: a Pixar. A chamada Teoria da Pixar (Pixar’s Theory) afirma que todos os filmes da empresa estão conectados, que todos ocorrem no mesmo universo e seguem uma linha temporal. A teoria se aplica a todos os filmes da empresa, desde Toy Story. Cada um dos filmes é conectado e seus acontecimentos repercutem em todos os outros filmes.

“Esse vídeo do canal Nostalgia conseguiu mesclar toda a teoria de uma maneira bem interessante também! Caso não tenha tempo de ler tudo agora, indico que veja o vídeo! Lembrando que são 29 minutos condensando toda a teoria de uma maneira bem original”

O primeiro e o último filme que compõe a cronologia pixariana é Valente, a história da princesa Mérida a qual, acreditando que magia resolveria seus problemas, acidentalmente, transforma sua rígida mãe em um urso. É evidente que este filme é o primeiro da linha temporal pelo fato de seu enredo se passar na Idade Média, na antiga Escócia, sendo este é o período de tempo mais antigo utilizado pela Pixar.O interessante é este também ser o único filme que explica o porquê de os animais dos filmes da empresa muitas vezes se comportarem como humanos.

Os acontecimentos de Valente são explicados pela ligação da mágica dos will-o’-the-wisps (algo como punhados de desejo) com uma certa bruxa. Vale lembrar que é dentro da casa desta mulher onde os objetos começam a se moverem sozinhos. Além disso, sempre que ela atravessava uma porta, logo desaparecia, o que talvez simbolize a sua não existência, ou melhor, que ela seja um personagem reconhecível de outro filme… Mas deste ponto já podemos partir para outro, depois será feito um retorno à Valente.

 

Após muitos séculos, os animais da bruxa foram se reproduzindo com outros animais, cresceram em população e inteligência, ao mesmo tempo em que a sociedade humana também evoluiu, em população e tecnologia. Assim chagamos a Ratatouille, a história do ratinho Remy, o qual ama cozinhar e faz isso até melhor que muitos humanos. Ele se junta a um pequeno grupo e obtém sucesso. Essa foi a forma como alguns dos animais começaram a desenvolver suas habilidades, aos poucos, fazendo pequenos experimentos. Mas e quanto ao vilão do filme, Chefe Skinner, o que houve com ele após descobrir que os animais poderiam realizar algumas coisas até melhor que os humanos? Após o filme ele simplesmente sumiu?

 

Aqui o velhinho de Up: Altas Aventuras, Charles Muntz, entra na linha temporal. Quem sabe ele não ouviu o rumor sobre animais inteligentes e quis investigar, criando diversos aparelhos para ouvir os pensamentos de seu cão, para ajudá-lo a encontrar o pássaro pelo qual é obcecado. Ele chega até a comentar quantos cachorros perdeu desde quando chegou à América do Sul (isto, claro, só ocorre depois dos acontecimentos em Ratatouille). É desta sua pesquisa que ele desenvolve a coleira que permite ao seu cão falar, e assim descobre como os animais são muito mais inteligentes e parecidos com humanos do que pensamos. É nesse momento que as relações entre humanos e animais começam a não ser mais tão amistosa, pois os humanos começaram a perceber as capacidades de seus companheiros e passam a querer utilizar isso em favor próprio.

 

Então, após completar sua aventura, Dug, o cachorro de Charles é libertado e não são reveladas as consequências disto. Também pode ser apontado que, na verdade, Up ocorre anos no futuro, bem depois de Ratatouille Toy Story 3, levando em conta que pode ser visto na parede de Andy um cartão postal o qual tem os nomes de Charles e Ellie (incluindo sobrenome para confirmar) e seu endereço. MasToy Story 3 acontece em 2010, então Ellie ainda estava viva nesse ano, assim pode-se deduzir que Up se passa realmente muitos anos no futuro.

 

Os acontecimentos de Up iniciam quando uma empresa resolve destruir a casa de Charles com a finalidade de expandir a cidade. Daí, podemos lembrar que um dos filmes da Pixar tem realmente uma empresa que polui a Terra e acaba com a vida no planeta: a BNL (Buy-n-Large).

 

Essa empresa chegou a tomar o controle dos governos do mundo, dominando-o. No fim das contas, temos os acontecimentos de Wall-E, a bela história do robozinho apaixonado. Para se ter uma ideia, esta companhia chegou a aparecer mesmo já em Toy Story 3, na cena em que vemos as pilhas do Buzz:

 

O maior sinal da interferência negativa dos humanos no mundo dos animais acontece em Procurando Nemo, onde um enorme número de animais aquáticos se reúne para salvar um membro de sua população, capturado pelos humanos. A BNL aparece no filme em uma notícia falando sobre um maravilhoso mundo subaquático.

Nesse filme também podemos ver o rápido avanço da inteligência dos animais. Dory, a peixinha com perda de memória recente é um exemplo de animal não tão inteligente quanto os outros. Enquanto Nemo ou seu pai já entendem muito bem o mundo a sua volta, Dory não parece assimilar muito bem as coisas, o que é justificado pelo fato dela não ser tão “evoluída” quanto os outros peixes. Mas também é fato que ela possui suas habilidades, revelando que o desenvolvimento cognitivo dos animais varia de um para outro (assim como os humanos, não?).

 

Ao mesmo tempo em que toda essa evolução dos animais acontecia, também ocorria a evolução das máquinas, nos levando ao filme Os Incríveis, história da família de super-heróis que volta à ativa após um período de proibição do uso dos poderes por super-humanos.

A história acontece, muito provavelmente, na década de 1970 ou 1980, então funciona como um antecedente de Toy Story.

O vilão, Síndrome, assassina super-heróis para se vingar de seu antes ídolo, Sr. Incrível. Mas esse é o ponto: Síndrome não possui super poderes, ele usa tecnologia para cometer seus crimes. A questão é: Síndrome realmente é o culpado? Sua vingança não é simples, ele vai muito além do que deveria, pois a única coisa feita pelo Sr. Incrível foi desapontá-lo, porém ele mata super-heróis utilizando seu omnidroid, uma inteligência artificial (I. A.) assassina.

 

 

Quando o Sr. Incrível é pela primeira vez informado acerca do omnidroid, Mirage diz que aquela é uma máquina a qual, de certa maneira, se rebelou, e o super-herói coloca que as máquinas já estão tão inteligentes a ponto de poderem até questionar por que recebem ordens.

Após um tempo, o omnidroid se volta contra seu criador, ação que pode nos fazer pensar acerca do atual papel de Síndrome. Na verdade, ele poderia estar sendo controlado pelas I. A.s para destruir os super-humanos, o grande obstáculo à dominação mundial das máquinas feita através da BNL. Por exemplo, pode-se notar, quando Edna explica a morte de alguns super-heróis, que eles foram mortos por objetos, máquinas, tal como aconteceu à super-heroína que foi sugada pela turbina do avião.

 

Agora, podemos pensar acerca do problema das máquinas em relação aos humanos. Os animais já tinham esse problema, tudo porque os humanos os usaram para conseguir o que queriam e estavam poluindo a Terra. Para entender mais das máquinas, é necessário olhar Toy Story.

Nesse filme, vemos brinquedos, que nada mais são que objetos comuns inanimados, com vida. Brinquedos não são máquinas, então qual a ligação? E como ganharam vida? Mais uma vez, a resposta está em Síndrome. Ele diz ao Sr. Incrível que seus lasers são alimentados por Energia de Ponto Zero. Acredite, isto é realmente uma teoria da física quântica, sendo a energia de ponto zero a energia existente no vácuo. Esta é uma explicação razoável para como os brinquedos adquirem vida. Abaixo, para quem interessar, um vídeo com a demonstração desta energia:

 

Em Toy Story, é clara a insatisfação dos brinquedos em relação aos humanos, os quais, quando crescem, rejeitam-nos ou fazem deles objetos de exposição. Por exemplo, Jesse, a menina vaqueira, decepciona-se com Emily, sua antiga dona, ou quando os brinquedos, liderados por Woody, atacam Sid. Assim, os brinquedos, assim como as máquinas, também acabam por defender a ideia de dominação mundial, apesar da grande dependência destes objetos pelos humanos. O filme parece dar dicas de que os brinquedos (isso também vale para as máquinas) realmente necessitam dos humanos, visto que, quando são guardados por muito tempo e deixados de lado, acabam por morrer, quebrar, tornando-se obsoletos. Ou seja, os humanos são necessários.

Mas nesse filme, as máquinas já começaram seu processo de dominação e já estão livres, pois nos anos 2000 já não existem mais super-humanos. Acontece que a dominação não é pela força ou de uma forma direta. Não, ela é discreta, toda feita através da BNL, deixando os humanos confiar cegamente em seu poder, suprindo cada uma de suas necessidades. Qual a consequência disto? Poluição, o que gera a raiva dos animais e consequentemente sua tentativa de tomar o controle. Quem protege os humanos? As máquinas. Elas vencem e, a partir daí, não se vê mais animal algum na Terra. Quem sobra? As máquinas, ou melhor, Carros.

 

Os humanos, como a Terra se tornou um planeta impossível de se viver, foram para o espaço, onde acontecem os eventos de Wall-E. No filme, os humanos não fazem nada, a não ser ter suas necessidades satisfeitas. As máquinas fazem absolutamente tudo pelos humanos, como se estes fossem brinquedos, exatamente como os humanos faziam com elas.

 

Enquanto isso, na Terra, os carros vivem maravilhosamente. Viajam, correm, e muito da cultura humana se mantém vivo. Mas há um porém: como já dito anteriormente, as máquinas precisam dos humanos para sobreviverem.

A BNL havia prometido limpar a Terra para o retorno dos humanos, porém falhou nesta empreitada. Qual a consequência? A morte das máquinas na Terra. Sendo Wall-E o único sobrevivente. Pode ser que a paixão do robozinho pelos humanos e sua amizade com a barata tenham provido o necessário para ele continuar vivo, sendo estes dois fatores substitutos da relação direta com os humanos. Ele tinha sempre em mente os tempos de paz entre os humanos e as máquinas.

 

No fim do filme, os humanos retornam à Terra e trazem consigo, graças a Wall-E, a nova fonte de vida do planeta: a plantinha dentro do sapato. Nos créditos do filme, é visto que a planta cresce e se torna uma grande árvore, muito parecida com aquela de Vida de Inseto. O argumento aqui é meio falho, mas existem outros motivos para se colocar Vida de Inseto depois de Wall-E na cronologia.

 

 

 

Em Vida de Inseto não aparecem humanos justamente porque existem muito pouco deles, mas os insetos existem em variedade, pois conseguiram sobreviver com mais facilidade, pista dada pela barata de Wall-E. Além disso, outro fato que corrobora com a colocação deste filme no futuro é justamente como os animais agem: os insetos têm cidades, bares e circos. A influência humana na vida dos insetos é muito maior do que dos animais pré-Wall-E. Ainda existem humanos, fato comprovado pelo mosquito que afirma ter tido as asas arrancadas por uma criança, mas ainda assim os humanos praticamente não são citados. Um inseto até diz para Flik tomar cuidado com o mundo lá fora, pois existem “cobras, pássaros, e insetos maiores”, mas nada de seres humanos.

 

E então? O que acontece depois? Muitos séculos se passam e uma nova raça nasce: monstros. A civilização dos monstros acontece num futuro muito distante. O interessante é que, como apontado emUniversidade dos Monstros, a universidade foi fundada em 1313, levando-nos a concluir que Monstros S. A. se passa 1400 anos ou mais depois de Vida de Inseto. Sendo assim, os monstros recomeçaram o calendário.

 

Os monstros são, possivelmente, animais geneticamente alterados pela radiação que durou pelo menos 800 anos (período no qual a humanidade estava no espaço). Claro que a mutação não ocorreu duranteWall-E, pois levaria muito mais tempo para aqueles animais tornarem-se os monstros. Outra ideia, bastante nojenta, é que os monstros seriam o resultado do cruzamento de humanos e animais… Mas seja como for, deve ser discutido o que houve com os humanos.

Uma ideia é a seguinte: os monstros, com o tempo, esqueceram a necessidade que tinham dos humanos e acabaram por eliminá-los de vez. Porém, redescobriram-na quando precisaram de energia. Assim, eles descobrem uma forma de ir para o mundo humano e conseguir a energia da qual necessitam. Acontece que as portas utilizadas no filme não levam à outra dimensão ou outro mundo, elas são portais temporais. Os monstros voltam ao passado, ao período em que os humanos ainda dominavam o mundo ou pelo menos criam nisso, e assim conseguem sua desejada energia.

É interessante pensar na relação entre os animais e os humanos: não parece ter sido nunca mais a mesma, visto que era instintivo dos monstros acreditar que tocar em humanos era algo letal. Crença gerada pela cicatriz da ferida. Outra explicação seria que os monstros perceberam que mexer com o tempo poderia alterar sua existência, levando-os até mesmo a não existir, e por isso proibiram o contato direto com os humanos. De qualquer forma, eles acabam por assustar os humanos para conseguir a energia, mas depois dos acontecimentos percebem que o riso funcionava melhor. Assim chegou ao ponto no qual os animais, as máquinas e os humanos finalmente viveram em paz.

Para corroborar com a ideia da viagem temporal, pode-se comparar os trailers que aparecem em ambos os filmes. São idênticos, exceto pelo fato de o de Vida de Inseto parecer muito mais velho e destruído que o de Monstros S. A., claramente habitado.

 

Assim, fica claro que Monstros S. A. é o filme mais futurístico da Pixar. Mas há uma personagem da qual falta falar e é muito importante para a história dos monstros: Boo. O que houve com ela? A teoria diz o seguinte: ela, após os acontecimentos do filme, obviamente cresceu e possuía lembranças do ocorrido. Ela se tornou obcecada em reencontrar Sully, o seu gatinho. Por que os animais de sua época não eram como aqueles que ela viu? Sua obsessão à leva a buscar respostas, mas ela lembra de algo mais: “portas” eram a chave, era assim que se mudavam os ambientes. Depois de muita pesquisa, ela encontra a resposta. Torna-se, então, adivinhe: a bruxa de Valente.

 

Lembra que a bruxa sempre desaparecia quando atravessava portas? Pois é, Boo descobriu que a fonte das viagens temporais eram os will-o’-the-wisps e assim passou a vida criando diversas portas para encontrar Sully. Uma comprovação disto é a imagem abaixo, um desenho de Sully na casa da bruxa.

 

É possível até ver na mesa de trabalho uma escultura de madeira do carro do Pizza Planet (a pizzaria deToy Story onde Sid captura Woody e Buzz). Como essa bruxa conhece isso? Ela vivia na Idade Média, é óbvio que não existia. Assim, o argumento da viagem temporal faz bastante sentido aqui.

 

É comentado também que as várias pistas e ligações de um filme para outro da Pixar foram deixadas por Boo em suas constantes viagens pelo tempo. Mas a grande pergunta: como ela faz isso? Só magia? Talvez a resposta esteja na madeira, aliás, talvez a resposta seja a madeira.

As portas utilizadas pelos monstros os monstros usavam era de madeira. Charles e Ellie sentavam-se sob a sombra de uma árvore, que também se parecia muito com a de Vida de Inseto, então será que a energia emanada da árvore não era a fonte da criatividade de Charles (o qual pensou numa casa que voava através de balões) e de Flik (que construía invenções fantásticas)? Essa necessidade por energia, provida pela madeira, pode explicar até o aparecimento de Flik e da Lagarta em Toy Story 2, visto que, em uma de suas viagens, Boo pode ter parado no futuro pós-Wall-E e precisava de madeira para viajar pelo tempo, então encontrou a árvore de Vida de Inseto e, sem querer, acabou trazendo alguns insetos consigo na viagem.

Agora, também se pode esclarecer o porquê de Boo ter escolhido viver na Idade Média: lá existia muita madeira, energia, e também é onde se encontravam os will-o’-the-wisps, a fonte de tudo.

Com isso, deduz-se que todo o universo da Pixar reside na busca de Boo. Seu amor por Sully é a pedra angular deste universo. Isso gerou todos os acontecimentos, toda a guerra, a cobiça por energia. Mas também gerou a busca por evitar a destruição da Terra, a valorização do próximo, a busca pelo amor. Essa é a Teoria da Pixar, aparentemente um retrato da nossa sociedade, pois a maior busca do ser humano é a busca pela felicidade, busca esta que reflete em toda nossa história e em praticamente todos os nossos atos.

Vale lembrar que tudo isso aqui escrito é pura especulação e está aberto a alterações. Qualquer acréscimo seria ótimo e o assunto poderia dar um estudo bem interessante! Talvez a madeira não seja realmente madeira, mas sim um símbolo da própria natureza, que é a chave para todas as ações humanas e deve ser protegida.

Quem sabe, no fundo, se algum dia essas especulações forem dadas como verdade (o que é bem improvável, mas não impossível), a Pixar talvez quisesse passar a todos nós uma grande e importantíssima mensagem: não é só filme, não é só ficção, é reflexão, é precaução.

fonte.

Leia também uma crônica bacana com a visão do dragão Fúria da Noite sobre o filme Como Treinar seu Dragão:

CRÔNICAS DE FÚRIA DA NOITE SOBRE COMO TREINAR SEU DRAGÃO

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s