A lua cheia de ontem …..

Luz da Lua Cheia, Brilhante, que atrai que encanta.
Lua que, ao contrário da Nova, mostra sua face.
Que, sorrateira, aproveita-se da ausência do Sol
E reflete o brilho deste como se fosse seu.
Em meio da mata, entorpece o brilho das estrelas
Entorpecendo também aqueles que deitam sobre seu olhar
Lua que abre portais, aguça a sensualidade, a intuição.
E depois de embriagar-se dela, mesmo na escuridão, seus efeitos perduram
Ouve-se o som da mata: os bambus conversam entre si
Enquanto as águas da nascente cantam sua canção para me fazer dormir.
Águas estas que ninam e despertam, que me trazem de volta a realidade
A verdadeira luz, a luz da verdade, a luz do Sol.
Águas que também encantam, que correndo para buscar o mar
Vai traçando desenhos, vai limpando seu caminho,
Desenhando por entre o relevo, seu desejo de passar. Relevo que a trai… Mas quem é ele que pode pensar em assim fazer?
A água cai, e quando chega ao fim da queda, vinga-se.
Quebra a rocha e de quebra, dispersa a luz.
Maquiada de branco, essa luz se desfaz em sete.
Ai entendo o porquê até a Lua, Cheia, seduz quando se faz brilhar.
É porque sem mascaras, sem disfarces, a luz e suas sete cores
É a mais ingênua e pura forma de iluminação que o homem pode apreciar
Para só então, ao som mágico da orquestra água, se apaixonar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s